Expressão audiovisual descentralizada

Essa ideia expressa pelo Godard de que o cinema morreu diz respeito a uma ideia específica de cinema. E mesmo esse cinema não morreu. Ele continua fazendo muito sentido, produzindo obras incríveis. A questão é que ele compete hoje com muitas outras práticas de expressão audiovisual. O que ele vê como “morte” é apenas um deslocamento: o “cânone” ocupa mais um lugar central, ele muda de posição, passa a conviver com outras formas, fica descentralizado. Mas mesmo assim, dentro dessa nova posição, não significa que tenha perdido vigor. Nunca se produziu tantos filmes ou tanta música. Esse momento atual representa também uma explosão de criatividade.

Ronaldo Lemos

Tudo é remix: a falha do sistema

A última parte de Everything Is a Remix, uma série sobre cultura digital. O quarto episódio aborda como nosso sistema legal não reconhece a natureza derivativa da criatividade. Num novo cenário, em que as ideias estão cada vez mais interligadas, esse sistema mostra-se ultrapassado.

Kirby Ferguson já pensa no seu novo projeto, This is Not a Conspiracy Theory. Você pode ajudá-lo:

The Interrupters: documentário

Watch The Interrupters (Graphic Language) on PBS. See more from FRONTLINE.

Transformar pessoas que cometeram crimes em pacificadores. São indivíduos que têm credibilidade nas ruas justamente por causa de suas histórias pessoais. Seu trabalho consiste em intervir em conflitos antes que eles se transformem em algo maior.

Esse programa (“Violence Interrupters”) é um dos pilares da CeaseFire (cessar-fogo). A organização foi fundada pelo epidemiologista Gary Slutkin. Para ele, a disseminação da violência imita a propagação de doenças infecciosas. Por isso, o tratamento deve ser semelhante: ir atrás do mais infectado, e parar a infecção na sua fonte.

The Interrupters está online. Na íntegra.

Getting Up [doc]

Documentário sobre o artista de rua norte-americano Tony “Tempt” Quan. Após anos grafitando por Los Angeles, Tempt descobre que sofre de uma doença degenerativa (esclerose lateral amiotrófica). Mesmo acamado e paralisado, voltou a criar graças a tecnologia que lê o movimento dos olhos.